quinta-feira, 28 de julho de 2011

O amor também "envelhece"


Eu queria entender algo simples...1+1=2, por que duas pessoas que se gostam não ficam juntas? Será que é mais fácil complicar que viver algo simples? Acredito que estamos vivendo num mundo tão paradoxal, onde o que é valorado hoje, talvez não o seja amanhã, que criar um conceito do que faz bem torna-se algo relativo, já que todo mundo a cada dia sabe mais sobre o mundo e mesmo tendo tanto conhecimento o que se consegue somar é o medo pelo desconhecido.
Quanto menos se sabe de algo, mais destemido se é para buscá-lo, quanto mais controle se tem pela razão, menos se consegue abraçar o concreto. Aquele ditado “criança não tem medo do perigo”  é uma pura verdade, quem tem medo é o adulto, aquele que tem mais controle da situação e se diz ser mais dono das convicções. Existe algo mais louco que ter medo quando se tem mais conhecimento? Assim, os relacionamentos tendem- cada vez mais –serem menos arriscados, e para que sejam menos arriscados devem ser fugazes e preenchidos de pouco sentimento, vive-se tranquilo pra dizer que está bem, quando na verdade, vive-se na incerteza para dizer que não é refém dos sentimentos.
Ah...que delícia de relacionamentos...tem-se medo de ser refém dos sentimentos, mas não se tem medo de ser refém da falta de sentimentos. Patrocinamos o “carpe diem” como se o mundo fosse acabar no próximo instante, e o que é pra ser vivido com intensidade é algo que ficou para nossos avós. Se pararmos para pensar hoje, num grande exemplo de amor, provavelmente não iremos nos remeter a uma história de nossos jovens amigos, eles podem até ter relacionamentos duradouros, falidos, mas vivos, estes são menos censurados que os términos, o tão temido término! É brutal por fim a algo que não mais dá certo, não suportamos a dor de dizermos para nós mesmos: “não deu certo”, para podermos ser livre para encontrar aquele que nos faça feliz!
E para ajudar o nosso coração moderno, quando conseguimos dizer que “não deu certo” -passamos a acreditar que tudo lá na frente pode dar errado, e por pensar em “errar” mais uma vez, evitamos viver novamente uma provável verdadeira história de amor. Quando chegará o momento que vamos amar a essência e não a conveniência? Vamos continuar dando prosseguimento aos conceitos moralmente corretos, mantendo-nos infelizes? Ou será que a felicidade eterna está na alma bestificada pelos prazeres da carne? Precisamos nos preparar para que o amor seja capaz de envelhecer conosco.
Vamos acreditar, ou pelo menos tentar acreditar naquele que lhe erguer a mão, te dar um abraço, abrir o coração e ser capaz de na tua velhice te chamar de meu amor!

2 comentários:

  1. Interessantíssimo! Situações que acontecem a nossa volta e q não nos damos conta da grandiosidade e complexidade delas. Acho que todos ainda sonham em possuir um grande, verdadeiro e eterno amor!

    ResponderExcluir
  2. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Alma de poesia. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir